alessandro-sangiorgi-1

Jurado

Maestro Alessandro Sangiorgi, nascido em Ferrara, Italia, diplomou-se em piano no Conservatório de Milão, prosseguindo seus estudos nas classes de composição e regência. Sua carreira internacional teve inicio em Israel em 1989, regendo a Jerusalem Symphony Orchestra.

Logo em seguida (1990-1993) foi convidado primeiro como Maestro Assistente e depois como Maestro Residente pelo Teatro Municipal de São Paulo, tendo sido responsável por mais de cem apresentações, entre operas (“Turandot”, “La Boheme” e “Il Trittico de Puccini”, “L’italiana in Algeri” de Rossini, “Il campanello” de Donizetti, “Pedro Malazarte” de C. Guarnieri), concertos sinfônicos e balés. No Brasil regeu também a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Orquestra Sinfônica Brasileira, a OSUSP, a OSUEL a Orquestra Sinfônica da Bahia, a OER, a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, a Orquestra Petrobras Sinfônica, a Orquestra Filarmônica de Goiás, a Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (Belém) e, de 1995 a 1998, a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro como Principal Regente Convidado, onde regeu Il Trittico de Puccini, a versão original do balé “A Sagração da Primavera”, “La Fille mal gardèe”, “La Sylphide”, entre outros.

Apresenta-se regularmente na Europa, tendo sido convidado pelo Stadttheater de St.Gallen (Suíça) regendo “Un ballo in maschera” de Verdi, Teatro Nacional de Split (Croácia) regendo “Rigoletto” de Verdi, Orchestra Regionale Toscana, Teatro Manoel de Malta (“Don Pasquale” de Donizetti), Orquestra de Estado de Plovdiv (Bulgária), Orquestra Filarmônica de Estado “Dinu Lipatti” (Romenia), Orquestra “Guido Cantelli” de Milão (“I due baroni di Roccazzurra” de Cimarosa e “Le due contesse“ de Paisiello”), Divertimento Ensemble de Milão e Neue VocalSolisten de Stuttgart (“” de Roberto Andreoni, estreia mundial), Teatro de Adria (“Carmen” de Bizet, “Don Pasquale” de Donizetti, “La Bohème” de Puccini, “Don Giovanni” de Mozart, “L’italiana in Algeri” de Rossini), Teatro de Cagliari (“La Traviata” de Verdi), ICO de Lecce (Itália) regendo “Il Campanello” de Donizetti e “Sheherazade” de Rimsky-Korsakov, Orchestra Sinfonica Siciliana (Palermo, Itália).

De 1996 a 1999 foi Diretor Musical da “Bottega Lirica” de Arezzo (Itália), onde regeu “Il barbiere di Siviglia” de Rossini, “La Bohème” e “Gianni Schicchi” de Puccini, “I due baroni di Roccazzurra” de Cimarosa, “L’elisir d’amore” e “Don Pasquale” de Donizetti, “Lo scoiattolo in gamba” de Nino Rota.

De 2002 a 2010 foi Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica do Paraná, tendo sido responsável pela ampliação do repertorio sinfônico, por varias estreias mundiais e pelo retorno das montagens de opera, como “La Bohème” e “Gianni Schicchi” de Puccini, “La serva padrona” de Pergolesi, “Don Giovanni” de Mozart, “Rigoletto” e “La Traviata” de Verdi, “Carmen” de Bizet, além dos balés “O Quebra-nozes” de Tchaikovsky, “Romeu e Julieta” de Prokofiev, a estreia mundial do balé “Lendas do Iguaçu” de J. Zenamon, entre outros.

De 2006 a 2008 foi Chief Visiting Conductor no Teatro Nacional de Belgrado (Servia), regendo as operas “La Traviata”, “Un ballo in maschera” e “Il Trovatore” de Verdi, “La Bohème” de Puccini, “L’italiana in Algeri” de Rossini, “Don Pasquale” de Donizetti. Estreou também no Teatro Nacional da Moravia-Silesia (Republica Tcheca), onde atuou como Guest Conductor até 2009, regendo “Manon Lescaut” de Puccini, “Pagliacci” de Leoncavallo, “La Lupa” de Tutino e a estreia mundial de “Il soffio delle fate” de Filippo Zigante”.

Na temporada 2007-2008 foi Guest Conductor no Teatro Nacional de Bratislava (Republica Eslovaca), regendo “Cavalleria Rusticana” de Mascagni, “Pagliacci” de Leoncavallo e “Lucrezia Borgia” de Donizetti.

Em Janeiro de 2009 estreou na Rússia, regendo a Orquestra Sinfônica de Krasnoyarsk com grande sucesso de publico e critica. Em outubro estreou no prestigioso Teatro da Opera de Roma com o balé “La Sylphide”.

Em dezembro de 2009 foi agraciado pelo Presidente da Republica Italiana com o titulo de “Cavaliere dell’Ordine della Solidarietà”, concedido pelos méritos artísticos conseguidos no Exterior.

Em 2011 e 2012 foi Principal Guest Conductor na Opera Nacional de Sofia (Bulgária), onde regeu “Don Carlo”, “Nabucco”, “Rigoletto” e “Attila” de Verdi, e com a qual esteve em tournée no Japão, apresentando “Cavalleria Rusticana” de Mascagni e “Tosca” de Puccini em 11 teatros, incluindo o famoso Bunka Kaikan Hall de Toquio.

Recentemente estreou no Theatro São Pedro de São Paulo a opera “Iphigenie en Tauride” de Gluck, comemorando os 300 anos de nascimento do compositor.

Em 2015 foi convidado como novo Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Universidade Estadual de Londrina e como Regente Titular e Diretor Artístico da Opera Orchestra Curytiba.